“Olá viajantes, sou a Renata Pinto, viajante, 33 anos, Gaúcha de Pelotas, mas já alguns anos vivendo na cidade de Porto Alegre. A vontade de conhecer a Colômbia era antiga, mas vinha postergando a viagem. Felizmente, em 2018 pude realizar esse desejo. Foram duas semanas na Colômbia, conseguindo até incluir a paradisíaca Ilha de San Andrés no roteiro. Esta é minha segunda contribuição para o Amigos Por Aí do Vai Que Viajo, a primeira foi o post com dicas de viagem para Bonito-MS que fiz em 2017. Espero que gostem deste roteiro que montei pelo país, no qual estive 2 dias em Bogotá, 3 em Medellín, 4 em Cartagena e 5 em San Andrés.

A Colômbia é demais, bora lá conhecê-la?”

O melhor dessas duas semanas na Colômbia
O melhor dessas duas semanas na Colômbia

DIA 1 – BOGOTÁ

O voo chegou em Bogotá por volta das 14h30. A fim de otimizar o tempo em Bogotá aluguei um carro, retirando-o já no aeroporto. A hospedagem foi em hostel no bairro da Candelária. Escolhi essa região em razão de ser o local onde a cidade foi fundada e por ainda existirem muitas coisas históricas nela, como os casarões, lindas igrejas e museus.

O primeiro ponto turístico que fui visitar foi o Museu do Ouro. Ele está repleto de objetos fantástico fundidos no metal, como joias, esculturas e símbolos religiosos.

Objetos do Museu do Ouro, Bogotá
Objetos do Museu do Ouro, Bogotá

Site do Museu do Ouro: www.banrepcultural.org/bogota/museo-del-oro

Depois, somente circulei pelo centro histórico da cidade, passei pela Plaza Simón Bolívar, conhecendo as importantes construções que ali estão, como o Capitólio e a Catedral Primada e experimentei o tão famoso café colombiano numa das cafeterias do bairro. Foi-me recomendado tomar cuidado para andar no centro da cidade por motivos de segurança, ainda mais por ser no horário noturno.

Post: Conexão em Bogotá: o que dá para conhecer

DIA 2 – CATEDRAL DE SAL E BOGOTÁ

No segundo dia saí cedo para ir à Catedral de Sal de Zipaquirá. Levei duas horas de carro para chegar. O tempo na região onde está situada a catedral não costuma ser bom e no dia em que eu fui não foi diferente, chuviscava e fazia frio.

A Catedral de Sal é um espetáculo! Ela é considerada a primeira maravilha da Colômbia. A primeira capela foi construída na década de 50 pelos próprios mineiros que eram muito devotos do Catolicismo. Na década de 90 ela foi fechada por motivos de segurança e um novo projeto arquitetônico foi iniciado para construir o que existe hoje.

O passeio durou a manhã toda. Para voltar a Bogotá foram mais duas horas de viagem. O carro foi fundamental na economia do tempo, pois sem ele eu teria ido de ônibus e isso consumiria o dia todo.

Catedral de Sal
Catedral de Sal

Na parte da tarde fui ao Cerro Monserrate, um dos mais visitados pontos turísticos de Bogotá. Subi de teleférico, mas não consegui ter uma vista boa da cidade em razão da neblina. Contudo, pude aproveitar a infraestrutura do lugar: há restaurantes, uma basílica muito bonita e uma feirinha com comidas típicas. O lugar, além da bela vista que proporciona, é um centro religioso.

Vista do Cerro Monserrate
Vista do Cerro Monserrate

Site: www.cerromonserrate.com

À noite fui no famoso restaurante Andrés Carne de Res. Ele é recomendado por vários sites de turismo e por pessoas que já o conheceram. Possui um estilo bem diferente e seu cardápio é enorme, ficando até difícil escolher o que provar. Além disso, a cada noite rola uma espécie de festinha! Vale muito a visita – apesar de ser caro!

Site: www.andrescarnederes.com

Andrés Carne de Res
Andrés Carne de Res

DIA 3 – MEDELLÍN

O primeiro destino em Medellín foi a região central. Não tive problemas com a locomoção na cidade pois há várias linhas de metrô e isso facilitou bastante o deslocamento. De certa forma, isso até impactou na minha primeira impressão sobre a cidade: organizada, lugar onde as coisas funcionam, fácil de se locomover e bem sinalizada.

O que fazer no centro de Medellín:

  • Museu da Antioquia: local imperdível, repleto de obras de artes, principalmente de Botero.
  • Plaza Botero: famosa praça onde estão as esculturas de Fernando Botero.
  • Caminhar pelas ruas para ver o dia a dia dos moradores.
  • Pueblito Paisa no Cerro Nutibara:  para ir optei por um App de transporte ao invés do metrô por ter uma subida de cerro. O pueblito é uma réplica de um vilarejo de Antioquia onde se vê a prefeitura, escola, igreja, pracinha com artesanatos e restaurantes. Do alto do cerro a vista da cidade é demais. Recomendo a ida ao entardecer.
Cerro Nutibara, Medellín
Cerro Nutibara, Medellín

Fiquei hospedada no bairro El Poblado em razão de ele ser mais turístico e, consequentemente, mais movimentado, com bastantes opções de barzinhos e restaurantes. O bairro é muito bonito e arborizado.

A noite de El Poblado também é muito boa! As ruas com barzinhos e festas ficam lotadas, principalmente aos sábados.

DIA 4 – MEDELLÍN

Manhã: Conheci a Comuna 13, uma comunidade pacificada que já foi considerada a mais perigosa da cidade. Fui de metrô e desci na estação San Javier. Desta estação, duas vezes ao dia, parte o tour guiado da Comuna 13 Graffiti Tour que é feito por moradores de forma gratuita. O guia conta a história da comunidade e passa por vários graffitis. As informações foram enriquecedoras, vi arte, dança e como se não bastasse os moradores são um encanto. Foi o melhor passeio de Medellín. Considero a visita indispensável!

Site com informações do tour guiado: www.comuna13tours.com

Comuna 13, Medellín
Comuna 13, Medellín

Tarde: Fui ao parque ecológico Arvi, um parque de ecoturismo aberto à comunidade onde se pode passar o dia, fazer trilhas e outras atividades ao ar livre. É neste parque que está o teleférico de Medellín. O passeio é lindo e dura em torno de 20 minutos. Primeiro ele passa por cima da comunidade (os moradores o utilizam como meio de transporte diário) e depois por cima da mata nativa.

Teleférico (metrocable) de Medellín
Teleférico (metrocable) de Medellín

DIA 5 – GUATAPÉ E PEDRA DO PEÑOL

Guatapé é uma pequena cidade localizada cerca de 80 km de Medellín. Este foi um passeio de um dia todo que comprei no hostel em que estava hospedada no qual se conhece a cidade de Guatapé e a Pedra do Peñol.

A cidade é muito bonita, o Pueblo de Zócalos é um dos pontos turísticos mais visitados por causa das suas ruas cheias de arte e colorido.

Cidade de Guatapé
Cidade de Guatapé

Contudo, a atração principal do passeio é a La Piedra, ou Pedra do Peñol. Aqui é necessário subir (e descer) mais de 6oo degraus para chegar ao topo da pedra que está a 220 metros de altura e ter uma vista panorâmica da cidade.

 Pedra do Peñol
Pedra do Peñol

DIA 6 – CHEGADA A CARTAGENA DAS ÍNDIAS

Hora de mudar o foco do desse roteiro de duas semanas na Colômbia: sai grandes centros urbanos e entra litoral, Caribe e calor!

Sobre o calor, foi a primeira coisa que me chamou a atenção em Cartagena. Ele é de mais! Por isso recomendo a vocês fazerem os tours pela manhã. Quanto mais cedo, melhor, até 11h no máximo e depois sair novamente a partir das 16h.

Cidade Amuralhada, Cartagena
Cidade Amuralhada, Cartagena

Neste dia, fiz um Free Walking Tour gratuito pelo centro e parte histórica da cidade Amuralhada. Achei o tour bem explicado, meu deu uma boa noção sobre a história de Cartagena. A duração foi aproximadamente 2h.

Site: freetourcartagena.com.co

DIA 7- CARTAGENA DAS ÍNDIAS

Aluguei uma bicicleta pela manhã e aproveitei que o tempo estava nublado para circular por toda a cidade e pela Cidade Amuralhada passando, inclusive, pelo castelo de São Felipe de Barajas, um dos pontos turísticos mais importantes da cidade. Estacionamos a bike na entrada do castelo e entramos pra conhecê-lo. Não foi preciso contratar guia porque é fornecido aos visitantes um mapa indicando as paradas e em cada uma delas há placas contendo uma explicação.

Passeio de bike por Cartagena
Passeio de bike por Cartagena

No final no passeio fui ao Bairro Bocagrande, uma região mais moderna Cartagena, luxuosa, com uma grande oferta hoteleira e comércio.

Um dos locais onde a noite de Cartagena acontece é na praça do Relógio. Um alerta importante sobre essa área é o fato de ser uma zona em que se vê prostituição, por isso é importante verificar antes onde se vai entrar.

Praça do Relógio
Praça do Relógio

DIA 8 – CARTAGENA DAS ÍNDIAS

Tiramos o dia pra comprar artesanatos, souvenirs, ver as esmeraldas e fazer as últimas fotos.

À tardinha fomos Café del Mar, que é um café muito famoso da cidade em que se pode assistir a um incrível pôr do sol no mar. A dica é ir cedo para conseguir uma boa mesa, já que o lugar fica cheio neste horário.

Pôr do Sol no Café del Mar
Pôr do Sol no Café del Mar

Depois fui conhecer o bairro de Getsemaní, uma região bem popular de Cartagena e muito frequentada por mochileiros. À noite o pessoal se concentra na Plaza de La Trinidad. Perto dela está o famoso Bar Café Havana, uma casa de shows de Salsa, com excelentes drinks e uma linda decoração no melhor estilo caribenho. O valor é um pouco caro, mas vale a experiência.

Café Havana
Café Havana

DIA 9 – SAN ANDRÉS

O primeiro dia na ilha foi destinado a conhecer as praias da região norte e o centro. Fiquei hospedada no El Viajero, em razão da localização e do preço. No último andar desse hostel há um barzinho que fica bem movimentado à noite, em algumas delas, inclusive, são ofertadas aulas de danças, como salsa e Bachata.

Ilha de San Andrés
Ilha de San Andrés

A minha percepção sobre San Andrés foi que se você não está hospedado num bom hotel, com all inclusive de preferência, não pode esperar por uma boa estrutura da ilha. Não há muita preparação para receber os turistas: poucos mercados, as lojas e Free shops fecham cedo, assim como poucas opções de bares à noite. No horário de almoço tudo está fechado, as lojas reabrem apenas por volta das 15h, então você precisa se adaptar.

DIA 10 – JOHNNY CAY E AQUÁRIO

Johnny Cay e Aquário são duas ilhas da Ilha de San Andrés. Foram os locais em que o mar do Caribe mais me impressionou, ficando até difícil dizer qual é o lugar mais bonito entre os dois!

Johnny Cay
Johnny Cay

Este passeio é imperdível, ideal para fazer snorkel. Ele dura o dia todo.

Johnny Cay
Johnny Cay

DIA 11 – VOLTA À ILHA DE MOTO

Aluguei uma moto e passei o dia todo circulando pela ilha. Dei a volta completa nela, parando nos pontos turísticos e nas praias que mais chamavam a atenção. Com a CNH brasileira é permitido dirigir em San Andrés. Eles não têm o habito de usar capacete, então é necessário tomar muito cuidado, pois o trânsito na ilha é praticamente todo de motos!

Volta de moto pela Ilha
Volta de moto pela Ilha

As praias que eu mais gostei foram Rocky Cay e San Luiz. Elas são paradisíacas e a água é bem quentinha, ideal para ficar de molho e esquecer do tempo.

 Rocky Cay
Rocky Cay

DIA 12 – PRAIAS DO NORTE E FREE SHOPS

Durante a manhã desfrutei da praia Peatonal, a mais turística de San Andrés e que disponibiliza aos visitantes uma melhor estrutura.

Praia Peatonal
Praia Peatonal

À tarde, aproveitei que a viagem estava chegando ao fim para gastar os últimos trocados com compras nos free shops. Achei artigos como bebidas, perfumes e roupas de marcas famosas bem baratos.

Para finalizar o dia muito reggeaton na festa CocoLoco, a casa noturna mais frequentada da ilha. Gostei muito do local!

DIA 13 – ÚLTIMO DIA

Último dia do meu roteiro de duas semanas na Colômbia. Acreditem, não dá vontade de voltar! Meu voo era cedo, então apenas dei umas últimas caminhadas pela ilha, arrumei a mala e comprei as últimas coisinhas que faltaram.

VOOS INTERNOS

Viajei internamente com companhias low costs Colombianas. Não tive problemas com elas. Os voos eram diretos e foram pontuais.

BOG – MDE: Cia. Viva Colômbia. 1h05 de viagem

MDE – CTG: Cia. Viva Colômbia. 1h10 de viagem

CTG – ADZ: Cia. Wingo. 1h30 de viagem.

OBSERVAÇÕES PARA O ROTEIRO DE DUAS SEMANAS NA COLÔMBIA

Distribuí o roteiro de duas semanas na Colômbia desta forma em função dos lugares que eu queria conhecer em cada cidade. Eu gostaria de ter ficado um dia a mais em Medellín e outro em Bogotá, pois essas cidades são muito grandes, cheia de atrativos e ficou um pouco corrido. Em Cartagena e San Andrés considero que os dias foram suficientes para usufruir das cidades. Em Cartagena não fui nas Islas Barú e del Rosário, pois já iria para as praias caribenhas de San Andrés e quis economizar. Então, se você não for para San Andrés, acrescente dias no roteiro de Cartagena.

OUTRAS FOTOS DA VIAGEM DA RENATA

Bogotá

Centro Histórico de Bogotá
Centro Histórico de Bogotá

Catedral de Sal

Catedral de Sal
Catedral de Sal
Catedral de Sal
Catedral de Sal

Cerro Monserrate

Basílica no Cerro Monserrate
Basílica no Cerro Monserrate
Comidas em feira no Cerro Monserrate
Comidas em feira no Cerro Monserrate

Andrés Carne de Res

Andrés Carne de Res
Andrés Carne de Res

Medellín

Medellín
Medellín

Cartagena das Índias

Cartagena das Índias
Cartagena das Índias
Cartagena das Índias
Cartagena das Índias

San Andrés

San Andrés
San Andrés
Rocky Cay San Andrés
Rocky Cay San Andrés

Espero que tenham gostado do meu roteiro de duas semanas na Colômbia! Foi uma viagem incrível, fiz turismo urbano, cultural e conheci lugares paradisíacos! O mar de San Andrés é imbatível, Medellín surpreendente…. ai, aí vocês não sabem o quanto eu desejo voltar!

Por fim, deixo uma abraço a todos os leitores do Vai Que Viajo.

Renata Pinto

(Instagram: @renatacpinto)

Veja aqui outros relatos de viagens feitas pelos amigos do Vai Que Viajo!